STJD

25/08/2017 às 14:30 | STJD

Bota x Fla: atletas absolvidos e clubes multados

Créditos: Daniela Lameira / Site STJD

Botafogo e Flamengo foram julgados nesta sexta, dia 25 de agosto, no STJD do Futebol por infrações na primeira partida da semifinal da Copa do Brasil. Em decisão da Quarta Comissão Disciplinar o Botafogo foi multado em R$ 15 mil pelo lançamento de objetos nas arquibancadas, absolvido por desordem e por descumprir o regulamento; enquanto o Flamengo foi multado em R$ 5 mil por revidar os lançamentos de objetos, R$ 2 mil por atraso e absolvido por descumprir o regulamento. Expulsos em campo, Alex Muralha e Joel Carli foram absolvidos por unanimidade. A decisão cabe recurso. 

Diante da Comissão, o Botafogo apresentou prova de vídeo e como provas documentais ata da FFERJ com plano de segurança da partida; Boletim de Ocorrência e juizado do torcedor referente ao episódio de injúria racial, matérias jornalísticas sobre ocorrências na partida e polícia explicando tumulto início. O Flamengo apresentou prova de vídeo com o lance que gerou a expulsão de Muralha. 

Pela Procuradoria foram exibidos diversos vídeos com os acontecimentos e Leonardo Andreotti destacou. “Material bastante amplo por tudo que ocorreu naquela noite. São acontecimentos que afastam o bom torcedor do estádio e bem verdade que foge um pouco dos clubes, mas que trazem a preocupação do combate dos atos suscetíveis de causar a violência no esporte. A praça de desporto tem que ser considerada o espetáculo desportivo. No sentido que o espetáculo abarca o estádio interno e seus entornos no que se refere o acesso. Quanto as expulsões, a Procuradoria entende que a gravidade não tenha sido tão relevante”, disse o Subprocurador-geral. 

Para o advogado do Botafogo, Aníbal Rouxinol Segundo não há de se falar em infração por parte do atleta e o clube tomou todas as medidas necessárias para a realização e segurança da partida.  “O que ocorreu ali foi uma disputa de bola e o goleiro vai com a perna mais alta. Não há nenhuma animosidade que pudesse ensejar a expulsão dos atletas. Segundo ano como zagueiro do Botafogo e jamais foi expulso e acabou ficando com a ficha maculada pelo erro da arbitragem. Já o Botafogo está denunciado por desordens e entendo que muitas informações foram passadas sem confirmação. O que aconteceu foi que o clube se viu contra a parede. A responsabilidade pelo entorno do estádio é da Polícia Militar e do Gepe e o clube contratou 250 seguranças particulares para o estádio. A entrada da torcida do Flamengo o Botafogo entende que foi decisão direta da Polícia e não tem controle sobre isso... O Botafogo agiu, tomou todas as medidas e a defesa entende que qualquer multa seria punir quem também foi vítima”, finalizou a defesa. 

Do lado do Flamengo, o advogado Rodrigo Frangelli sustentou o pedido de absolvição de Alex Muralha e do clube. “Ao goleiro Alex Muralha é importante ressaltar que o vermelho foi excessivo em todos os entendimentos de arbitragem. Ele salta na diagonal e é normal o goleiro pular com a perna levantada. Com relação ao artigo 191 o regulamento 66 diz que é necessário haver graves perturbações. Após as ofensas e inúmeros arremessos de objetos, somente um isoladamente e em resposta pega uma nota e balança. A defesa não consegue enxergar gravidade e pede absolvição do clube na denúncia”, sustentou. 

Após as sustentações, o relator do processo, Auditor Luis Felipe Procópio proferiu seu voto. Por não ver caracterizada infração por parte dos atletas, o Auditor absolveu Alex Muralha, goleiro do Flamengo e Joel Carli, Zagueiro do Botafogo; absolveu os clubes no artigo 191, inciso III por não ver como punir os clubes em razão da troca de ofensa entre os torcedores. Absolveu os clubes na denúncia de desordem no artigo 213, inciso I, multou o Botafogo em R$ 15 mil pelo arremesso de objetos contra a torcida do Flamengo no artigo 213, inciso III e multa de R$ 5 mil ao Flamengo por revidar o lançamento de objetos no artigo 213, inciso III. O Flamengo foi multado ainda em R$ 2 mil no artigo 206 pelo atraso de dois minutos no retorno para o segundo tempo.

O Auditor José Maria Philomeno divergiu apenas no valor da multa aplicada ao Botafogo para aplicar R$ 20 mil, enquanto os Auditores Adilson Simas, Olímpia Falcão e o Presidente Luiz Felipe Bulus acompanharam o relator na íntegra.

Nossos patrocinadores