STJD

24/08/2017 às 14:52 | STJD

Vasco tem parcial provimento em recurso

Créditos: Daniela Lameira / Site STJD

O Vasco obteve parcial provimento em recurso impetrado no STJD do Futebol. Punido com multa de R$ 27 mil por apagão de 27 minutos na partida contra o Avaí, o clube conseguiu reduzir a pena para R$ 10 mil. O recurso foi julgado nesta quinta, dia 24 de agosto, pelos Auditores do Pleno e a decisão foi proferida por maioria dos votos.

A Segunda Comissão Disciplinar do STJD do Futebol puniu o Vasco da Gama pela falta de energia na partida contra o Avaí. Denunciado por não cumprir o que prevê o regulamento, o time de São Januário foi multado em R$ 27 mil. O clube interpôs recurso onde destaca relatório juntado afirmando falha na rede de fornecimento da energia elétrica e o caso chegou ao Pleno.

Em última instância advogado Paulo Rubens Máximo destacou o documento entregue em que confirma o problema com a companhia de energia elétrica e sustentou que “não há uma exigência no regulamento da competição para o gerador. A CBF faz a vistoria e não exige para funcionamento do local da partida. Não há no histórico do clube a falta de energia no estádio. Não há nenhuma previsão legal para que eu tenha um gerador no estádio. Em razão da inexistência de obrigatoriedade, a defesa pede a absolvição”, disse Paulo Rubens.

De acordo com o entendimento do relator do processo, Auditor José Perdiz “não existe dúvida de que a falta de energia obrigou a paralisação da partida. Também é certo que o laudo da Light diz que houve curto circuito que alimenta a região do estádio São Januário. O risco de falta de um gerador deixa o clube mandante vulnerável caso um problema de energia venha ocorrer. Dou parcial provimento para reduzir a multa para R$ 10 mil por entender que o clube não contribuiu para o evento, mas correu o risco ao deixar de ter um gerador”, justificou Perdiz.

Por entenderem que a responsabilidade do clube é objetiva e integral os Auditores Paulo César Salomão Filho, João Bosco, Mauro Marcelo de Lima e Silva, Ivo Amaral e o Presidente Ronaldo Botelho Piacente acompanharam o relator.

O Auditor Antônio Vanderler divergiu para absolver o Vasco da Gama por entender que o clube não pode ser responsabilizado pelo problema da Light, fornecedora de energia elétrica no Rio de Janeiro. O voto divergente foi acompanhado pela Auditora Arlete Mesquita.

Nossos patrocinadores